sábado, 9 de junho de 2012

Cozinha adaptada para cadeirante

Cozinha modelo para cadeirantes: tudo na mão
Nunca fui muito "atuante" na cozinha, ou melhor, minha atuação sempre foi mais de "consumidor" do que de "produtor". Não que eu não tivesse vontade, já quis aprender a cozinhar alguma coisa mas nunca passei do "Macarrão à Miarola", o nome chique que eu dei para o delicioso "Miojo com Pomarola". Ah, e eu colocava até umas salsichas picadas por cima! Ficava uma delícia... Nem morando em república por seis anos eu criei vergonha na cara, já que comia no bandejão durante a semana e no fim de semana rolava rango comunitário - as meninas da república vizinha iam para a nossa fazer comida - ou então eu almoçava na casa de "alguém"... Pois é, para completar eu sempre dei sorte com namoradas cozinheiras... Não sei como não fiquei obeso! 
A Gi, minha "namorida" há mais de cinco anos, já é famosa por seus pratos deliciosos e elaborados. Pelo menos agora eu posso até não precisar mais da cadeira, vou engordando até sair rolando por aí... Mas como nem todo mundo dá essa sorte, muita gente que é ou vira cadeirante precisa da cozinha para sobreviver. E há uma série de barreiras para um cadeirante usar a cozinha com segurança e conforto. Encontrei ótimos artigos na internet que abordam o assunto (os melhores no blog Design Innova), vou colocar os links no fim deste post, e meu objetivo aqui, como sempre, é identificar os principais obstáculos e partir um pouco para a prática, de forma que não seja tão complicado para um cadeirante adaptar sua sozinha.
Bancada com Cook Top em cima
Em primeiro lugar, o fogão. Ele deve ser baixo o suficiente para que o cadeirante consiga ver por cima das panelas e não pode ter forno, ou seja, deve ser vazado embaixo para que o cadeirante entre com sua cadeira. Hoje em dia é bem fácil montar um fogão assim, basta utilizar uma bancada, preferencialmente de pedra, e montar um "cook top" em cima dela. Há modelos por menos de quatrocentos reais. O forno pode ser comprado separadamente e colocado também sobre uma bancada. Acima, a foto do fogão do meu amigo Gregori. Ele foi bem esperto e adaptou só o fogão, deixou a pia normal, com armário embaixo. Bela desculpa para deixar a bagunça sempre para a esposa limpar... Acho que vou fazer igual!
A pia não pode ser muito alta e não pode ter armário embaixo
A pia também pode ser montada sobre a mesma bancada, e também não pode ter armário embaixo para que a cadeira possa entrar. E é essa bancada o que considero a mais importante na cozinha adaptada: ela deve ter a altura certa para que o cadeirante desempenhe todas as atividades necessárias na cozinha. A NBR 9050 afirma que ela deve ter altura entre 80 e 85 centímetros, mas na prática ela deve ser definida pelo cadeirante que vai usar, pois tem cadeirante de várias alturas. Agora vem uma dica que eu creio que vá ajudar: não dá para medir a bancada acima do apoio de braço da cadeira. Os braços ficam flexionados quando apoiados ali, portanto o ideal é deixar a bancada um pouco abaixo, e como os apoios são removíveis, o ideal é removê-los ao utilizar a cozinha. Dessa forma a visão por cima da bancada fica otimizada e a pessoa pode apoiar os braços sobre a mesma.
Nos armários baixos, deixar um vão para entrar os pés
O problema ao adaptar uma cozinha é a disposição dos armários. Como não dá para colocar armário embaixo de nada, eles devem ser montados sobre a bancada e não podem ser muito altos. É possível colocar armários acima da bancada, mas deve haver espaço para movimentar e não podem ser grandes, pois o cadeirante deve alcançar até a última prateleira. Só que se forem todos assim, vai ser preciso uma cozinha do tamanho de um campo de futebol, e nem todo mundo tem tanto espaço sobrando. A melhor solução que encontrei foi reservar um espaço para fazer armários começando na parte de baixo, deixando um vão para entrar os pés, e que vá até o alcance máximo dos braços do cadeirante. Assim, ele abre e acessa a parte de baixo, e depois a parte de cima. Mesmo assim é um ponto delicado e deve ser construído de acordo com o tamanho e alcance do cadeirante. Mas o mais importante é o cuidado com o vão onde o cadeirante vai enfiar os pés. A foto acima é da cozinha da minha casa, e a altura é ideal para mim, entra os pés sem pegar em nada. Só que isso varia de pessoa para pessoa, então o correto é medir uns vinte centímetros acima dos pés e iniciar aí o armário. Senão, pode acontecer o mesmo desastre que passei na casa da minha mãe: cheguei perto do armário e arranquei a unha do dedão! Arrgh, dá gastura só de pensar. Contei o caso aqui.
Abaixo os links para os posts de onde tirei as fotos deste post:

9 comentários:

  1. Alessandro, tudo bem?Aqui é a Juliana, do Lifecenter; estou seguindo seu blog e adorei as matérias que li. Parabéns pelo seu otimismo, tenho muito o que aprender ainda...e ando observando o quanto tudo em todas as áreas precisa melhorar em termos de adaptação; meu pai também era deficiente físico e sentia as mesmas dificuldades, ruas mal feitas, falta de rampas, respeito das outras pessoas...Enfim, tenho certeza que você tem algumas sugestões para o hospital, e estou á disposição para trasnferir isto á diretoria!Um garnde abraço, espero que esteja bem!
    Juliana M. B. Saleh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Juliana, que bom te ver por aqui! E que bom que gostou do blog. Aproveito para parabenizar seu trabalho no hospital, foi a médica mais atenciosa e dedicada que já me atendeu lá. Eu já fiz uma matéria aqui sobre um problema que passei no hospital, não consegui entrar pela garagem, há uma barreira lá que poderia ser evitada. Eu estou melhor, ainda com o corpo meio ruim, mas já voltei a trabalhar e às atividades de dia a dia. Grande abraço!!

      Excluir
  2. Oi, Alessandro. Sou tetraplégico e moro no noroeste fluminense. Leio sempre o seu blog, mas esta é a 1ª vez em que me manifesto. Um dos grandes problemas é encontrar esse mobiliário nas lojas, principalmente do interior. Vc poderia citar alguns endereços de lojas que comercializem produtos para casa direcionados às pessoas com deficiência? Um abraço.

    Eduardo Aranha Luz
    SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RJ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Eduardo, o ideal, na minha opinião, é mandar fazer sob medida, de acordo com sua necessidade, com um marceneiro ou outro profissional com experiência, pois os armários devem seguir os tamanhos que te atendam. Os equipamentos de cozinha você encontra em lojas de departamento, procure no Buscapé e veja o melhor preço para você. Abraço

      Excluir
  3. Gostaria de saber em que post está a matéria sobre o hospital, queria realmente ajudar...Existem inúmeras coisas que precisam ser mudadas lá!Mas estou feliz que você esteja bem, e fique atento aí aos sinais e sintomas diferentes, qq coisa me fale..Abraços!(te adicionei no face)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Juliana, é só digitar o nome do hospital na caixa "pesquisar" no canto superior direito. Não leve ao pé da letra, foi meio que desabafo... rsrs Abraços

      Excluir
  4. Olá Alessandro, obrigado por citar o meu blog no seu post. Publiquei recentemente uma postagem sobre um carrinho de compras para cadeirante, se vc quiser dar um conferida. Ainda irei postar mais artigos sobre acessibilidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por nada João, você está de parabéns pela qualidade dos posts e por abordar assuntos de acessibilidade, já acrescentei seu blog aos meus favoritos! Abraços

      Excluir
  5. Ola Alessandro sou terapeuta ocupacional e tenho uma loja de móveis planejados e estou montando um novo segmento com móveis adaptados para cadeirantes e outras deficiências. e foi muito útil observar as necessidades postada no seu blog. parabéns!! Abraços

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...