domingo, 20 de outubro de 2013

Tiro com Arco Paralímpico

7º Campeonato Brasileiro de Tiro com Arco Paralímpico
Mês passado, estava eu na sala de espera de um médico e chegou uma cadeirante, muito bonita e simpática. Comecei a conversar com ela sobre modelos de cadeiras de rodas, e ela disse que foi em uma feira na Alemanha parecida com a Reatech, chamada RehaCare, que geralmente acontece no fim do mês de setembro. É uma ótima oportunidade para conhecer o que há de melhor no mundo em tecnologia assistiva. Boa dica para quem pretende ir à Europa. Trocamos contatos e nos adicionamos no Facebook.
Anne atirando no Capeonato Brasileiro
Há alguns dias vi fotos dela praticando tiro com arco, uma modalidade paralímpica que tem poucos adeptos no Brasil. Nas fotos ela estava participando do 7º Campeonato Brasileiro de Tiro com Arco Paralímpico, que aconteceu aqui em Belo Horizonte nos dias 9 a 13 de outubro. Tiro com Arco é o nome correto do esporte, que a maioria das pessoas conhece como Arco e Flecha. É um esporte que demanda concentração, disciplina e postura, além de uma técnica bem apurada, e é um dos mais antigos esportes olímpicos.
Área para treinos e competições da Federação Mineira
A iniciativa de buscar o esporte foi da Anne, ela presenciou atletas praticando em Londres e aqui em Belo Horizonte entrou em contato com a Federação Mineira de Arco e Flecha, e o Evandro Azevedo, um dos instrutores credenciados, topou o desafio de treiná-la e hoje ela é a única mulher cadeirante credenciada em todo o Brasil! Em apenas três meses ela já participou do campeonato brasileiro e fez uma excelente pontuação. Mesmo sendo a única mulher, e obviamente ficando em primeiro lugar, ela seria segunda colocada se competisse com os homens. Parabéns Anne!
Testei minha mira no tiro com arco, achei bem divertido.
Os treinos acontecem ao lado do Mineirinho, na Pampulha, onde eles tem duas grandes áreas com a estrutura necessária para a prática do esporte. Há rampas para circular de cadeira, mas há um pequeno trecho de grama para chegar à área de treinos. Nada muito complicado para rodar, a grama é bem cortada. Eu também dei alguns "tiros" com o arco, e descobri que é bem mais difícil do que parece. À primeira vista, parece fácil esticar o arco, mirar e soltar a flecha, mas não é simples não. Para quem tem uma lesão medular então, é ainda mais complicado. E é aí que está uma das vantagens do esporte para nós, a necessidade de manter o corpo estável e equilibrado na preparação da flecha e na mira. Isto exige que a gente utilize toda musculatura existente de abdômen e quadril. Na ausência desta musculatura, é preciso compensar como puder. A Anne me mostrou uma técnica para "armar" o arco levantando-o para o alto antes de puxar a corda. Desta forma é possível conseguir um equilíbrio. Quem me instruiu foi o Denis, ele explicou os fundamentos básicos do esporte e o que um cadeirante precisa fazer para praticar. Ele tem muita didática e paciência, explica muito bem.
Momento em que a flecha saiu do arco... em direção ao céu!
Senti dificuldade em manter o corpo estável ao mesmo tempo em que segurava o arco e ainda precisava mirar. E deve ser bem por aí o treinamento, segurar o corpo, manter a respiração e focar no alvo. Gostei bastante da experiência, achei divertido, apesar de não ter acertado nenhuma flecha no alvo. Já tive uma pistola de chumbinho e treinava com alvo há muitos anos. Quem tiver interesse, pode procurar o pessoal lá no Mineirinho, os treinamentos são às terças e quintas pela manhã e à tarde, e nos finais de semana. Para mais informações, entrem no site da Federação Mineira (www.arcoeflecha.org.br) ou liguem para (31) 9362-7473, com Viviane. Tem ainda a página da Federação no Facebook. Obrigado à Anne e ao Denis pela introdução ao esporte!

Um comentário:

  1. Esse esporte é realmente muito legal, pra qualquer pessoa, cadeirante ou não.
    Muito bonita a Anne, pena que a gente não consegue ver o rosto dela em nenhuma foto. rs
    Abraços

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...