quinta-feira, 23 de junho de 2016

Fertilização na prática

Na fertilização dá para acompanhar o momento de inserir os óvulos fecundados
Já contei aqui em um post de setembro do ano passado, como chegamos à decisão de ter filhos e expliquei brevemente como foi a fertilização. Vou voltar ao assunto, a pedidos, fazendo um passo a passo do procedimento e contando outros detalhes. Lembrando que falo sempre do ponto de vista de um homem com lesão medular, que é o meu caso. O primeiro passo é definir que método é mais indicado. Para isto, é fundamental consultar com um urologista, preferencialmente um que tenha experiência com lesado medular. Quem faz acompanhamento no Hospital Sarah pode solicitar uma consulta com um urologista de lá. Neste momento o casal já deverá ter definido se o procedimento será realizado na rede pública ou particular.
O urologista deverá solicitar um espermograma para identificar se há espermas de qualidade e em quantidade suficiente na ejaculação retrógrada. Este tipo de ejaculação é muito comum em homens com lesão medular, a ejaculação acontece no ato sexual ou na masturbação mas não sai para fora do pênis, vai para dentro da bexiga. O espermograma então é feito pela masturbação e em seguida um cateterismo, então o médico avalia se há espermas bons na urina. Se houver, pode ser possível utilizar colher os espermas direto na urina ao invés de fazer a punção. A punção é a coleta dos espermas diretamente no testículo.
Fizemos na clínica Vilara, no Hospital Vila da Serra
Em seguida, a mulher consulta com um ginecologista, já na clínica escolhida, para verificar como está sua saúde e definir quanto remédio tomará para estimular a produção de óvulos. No nosso caso, pesquisamos por uns dois meses até escolher a clínica Vilara, que fica no Hospital Vila da Serra. O valor do processo todo ficaria entre quinze e vinte mil reais, a variação se deve à quantidade de remédios que a mulher toma, quanto mais velha, mais remédios. No nosso caso, a Gi estava com 37 anos, tomou o máximo sugerido, e acabamos gastando quase o máximo.
Foram introduzidos três óvulos fecundados, dos quais dois vingaram
A mulher começa então o tratamento tomando os remédios que estimulam a produção de óvulos e o médico vai acompanhando por ultrassons. Assim que a mulher atinge uma boa quantidade de óvulos, é marcada a retirada dos óvulos, e na mesma data é marcada a punção. A Gi produziu oito óvulos, e na data marcada ela foi encaminhada para uma sala onde foi feita uma espécie de raspagem, com sedação leve. Em seguida fui encaminhado para a punção, em uma sala ao lado. Eu poderia tomar anestesia local, mas como minha sensibilidade é pequena na área, dispensei. O médico fez a primeira coleta de espermas na parte externa do testículo, e levou para o laboratório, que fica ao lado. Na hora não resisti e falei para o médico: "é doutor, esse é o único exame em que o paciente não quer ouvir que não tem porra nenhuma!" Todos riram na sala. E logo veio a resposta do laboratória, não tinha espermas de qualidade.
Acompanhar o crescimento deles pelos ultrassons foi muito bom!
Aí o médico fez um corte na bolsa escrotal (o saco),  enfiou a seringa dentro do testículo e retirou mais uma leva. Mandou para o laboratório, e desta vez haviam espermas em quantidade e com boa mobilidade. Logo em seguida já iniciaram os processos para a fecundação. Na sala, outro médico fez o resto do trabalho, costurando a bolsa escrotal. Mais uma vez eu não aguentei e falei: "é cara, esse seu trabalho é um saco." O cara riu muito. E eu completei: "tá vendo, quem manda não sedar o paciente?" Não tem jeito, nem nessa hora eu fico sério.
O ultrassom 3D deu para ver a carinha deles
Aí fomos para casa e aguardamos notícias do médico. Em uns quinze dias eles nos ligaram, haviam fecundado quatro óvulos e marcaram para colocarem no útero da Gi. Fomos para uma sala com telas na parede e pudemos acompanhar a inserção dos óvulos, foram introduzidos três. Foi muito emocionante ver aqueles três pequenos pontinhos sendo colocados dentro do útero dela. A partir de então, fomos acompanhando a evolução dos óvulos em ultrassons semanais. Até a quarta semana, os três estavam crescendo, mas a partir da quinta semana um deles involuiu. Os dois continuaram crescendo e deram origem aos meus filhos, Anne e Max. Vejam no vídeo abaixo meu depoimento sobre a fertilização.

11 comentários:

  1. Fala Alessandro! Estava recuperando uns favoritos aqui e reencontrei o seu blog! E ai, como estão as coisas? E o bravo vermelho? Ta com ele ainda? Hehe.

    Grande abraço!
    Rainier

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí Rainier! Beleza? Por aqui tudo tranquilo, fora a correria de cuidar de dois bebês! Estou vendendo o Bravo, comprei uma Spin para carregar a tropa. Abraços!

      Excluir
    2. Ola. Muito obrigado pela dica tenho 36 e minha esposa 35 . Amnha farei a triagem no posto. Uma pergunta. Qual idade vc e sua esposa começaram?

      Excluir
  2. Cara faz exatamente ano que eu não visitava seu blog, meu esposo é cadeirante a três anos e no começo eu sempre vinha aqui aprender um pouquinho.... agora que vi isso de fertilização fiquei emocionadissíma.
    Temos muita vontade de ter um filho e sempre tivemos muita curiosidade de saber como funciona, fico muito feliz em ver uma história real como a sua, e saber que existe sim a possibilidade de termos nosso baby. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Alessandro, paz e bem! Me encantei c seu blog ...Mas como fazer uma pessoa amada se levantar da cama e ir curtir a vida como vc? Meu amor n se anima! Ajude-me por favor?!!Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mostra meu blog pra ele! Depende da vontade dele, você só pode estimular. Eu só mostro que é possível, se a pessoa quiser!

      Excluir
  4. Oi bom dias a todos sou cadeirante a 21 anos quero muito ser pai. Só que meu espermograma deu 000 tem alguma oportunidade ainda? Preciso de um conselho pfv

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcos, tem chance sim, se fez o espermograma na urina por exemplo, comigo foi a mesma coisa, não deu nada. Aí fiz por punção, colheu direto no escroto, e deu tudo certo como viu na postagem. Abraços

      Excluir
  5. Boa noite Alessandro, tudo bem? Preciso de uma ajuda... Sou paraplégico lesão T4,T5 acidente de moto. Estou pesquisando para ter filhos e encontrei seu blog... Moro a 7 horas do sarah mais próximo e fui no urologista, mas pediu o espermograma, pensei em comprar um vibrador viberect-x3 para auxiliar o que acha?Tem sugestão de loja?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite. Há outra forma de fazer o espermograma, através de masturbação seguida de um cateterismo, porém é preciso fazer em laboratório que tenha experiência com isso. O vibrador não garante que vá ejacular, é uma tentativa, mas se você está certo que vale a pena, esse modelo é bom.

      Excluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...