sexta-feira, 15 de setembro de 2017

A solidão da pessoa com deficiência

*por Dayana Beatriz
Quero falar um pouco sobre a solidão da pessoa com deficiência.A deficiência, seja ela física, mental ou intelectual podem ser fatores que afasta o indivíduo dos modelos padrões estéticos, tornando assim tudo mais difícil. Estamos acostumados com a falta de acessibilidade, mas as dificuldades de convívio serão sempre maiores de se superar.
Vez ou outra aparecem aquelas pessoas que nos dizem: “Que bom que você saiu de casa!”, “Nossa, não sei como você aguenta” (já nem ligo mais kkkkkkk), e somos vistos como exemplo de superação, quando só estamos querendo se distrair, divertir… Na realidade é bem chato ficar ouvindo isso!
Quando é assim há deficientes que preferem não sair de casa, preferindo ficar no seu mundo virtual aonde “todos são aceitos”, “todo mundo é bonzinho”, e acabam se isolando do convívio social. 
A mesma coisa acontece quando há um casal onde um deles é cadeirante, o que é andante se torna herói por conviver com essa pessoa, é muito amável, bonzinho, e com os olhares de fora são pregados rótulos sobre o casal. 
Diante de tantas situações preconceituosas tem que se ter muito amor próprio para não desanimar. Acreditar que você é capaz, tem suas qualidades, investir nelas e não dar ouvidos a essas baboseiras que nos falam rsrs
As pessoas sem deficiência também devem deixar seus preconceitos de lado e tentar ver que no deficiente há muito mais do se vê na aparência, encontrando uma pessoa bacana, garanto que você pode se surpreender!
E digo mais, se isso não acontecer, não desanime. 
“Estar junto de alguém é bom, mas estar bem consigo mesmo é delicioso”

Um comentário:

  1. Tudo verdade, Dayana!
    Não tenho deficiência, mas convivo com algumas pessoas (muito queridas) que tem. Sinceramente não as vejo como “diferentes”. Cada um de nós, naturalmente, tem um ponto fraco, algo que necessita superar. Portanto, somos todos iguais. Considero-me privilegiada, pois compartilho a minha vida com pessoas que têm deficiência.
    Tenho alunos surdos, uma sobrinha com síndrome de down, uma amiga cega e um grande amor cadeirante, que não trocaria por nenhum outro. Eu o amo e o aceito exatamente do jeito que ele É. Sou amada e feliz. Portanto, o preconceito é para mim algo inaceitável é digno de repúdio.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...