sábado, 2 de novembro de 2019

Participação no Encontro com Fátima Bernardes

Falamos sobre a paternidade sobre rodas
Aparecer na Globo é um sonho de muita gente. Aparecer ao vivo, em rede nacional e ser entrevistado pela maior musa do jornalismo brasileiro, é um privilégio incalculável! E foi isto que aconteceu comigo e minha família no dia 29 de outubro! Tudo começou quando enviei uma mensagem para o programa através do site contando um pouco da nossa história e do meu dia a dia com os gêmeos. Depois de um mês e pouco a produção do programa me ligou chamando para participar ao vivo e mostrar o que representa a paternidade na minha vida, e como me adaptei para recebê-la. Resolvemos todos os detalhes por email, nos mandaram as passagens e fomos na segunda feira dia 28. Ficamos num hotel por conta deles e no dia um motorista nos levou cedo para o Projac. 
Fomos para o estúdio em um carrinho elétrico adaptado!
O tamanho do complexo impressiona, entramos pela portaria 3, e para chegar lá foram vários minutos rodando desda a primeira portaria. Nos identificamos, assinamos uma autorização para a entrada dos meninos e entramos. Logo ao entrar há um estacionamento de carrinhos elétricos, tipo aqueles de Golf, mas precisei esperar até buscarem o carrinho adaptado. Nele, subi com a cadeira, travaram ela no chão e seguimos para o estúdio. Nos receberam muito bem, mostraram o palco principal e onde ficaríamos. A estrutura da Globo é impecável, as pessoas muito solícitas e profissionais. A Maju, produtora da Fátima, nos recebeu muito bem, deu todas as orientações e nos deixou nos camarins, onde havia comida e bebida à vontade. Logo levaram a Gi para a maquiagem, depois eu fui, e aguardamos.
Bastidores do programa, a plateia e parte do estúdio
Faltando meia hora para começar o programa, a Maju nos levou para o palco. Ficamos na platéia e os artistas foram chegando. A Fátima chegou em seguida e foi muito simpática, disse que gostou muito da nossa história e agradeceu pela participação. Em seguida apresentaram a equipe de segurança, explicaram sobre a estrutura do estúdio e o que fazer em situação de emergência.
Max falando com a Fátima sobre meu acidente
Nossa participação foi no segundo bloco, assim que voltou dos comerciais a Fátima introduziu o assunto e nos chamou para o palco. Fiquei ao lado dela e a Gi no sofá com as crianças. Ela começou me perguntando sobre o processo para ter os filhos, e como lidei com os bebês no início, pois com a cadeira e as limitações físicas, tudo fica mais complicado. Falei sobre as adaptações que fiz na nossa casa para manusear melhor os bebês, como os berços em “L” para permitir o acesso da cadeira, com lateral deslizante para ficar no nível da cadeira, e o trocador que permite que eu entre com a cadeira de rodas embaixo, para trocar fraldas e roupas. E ainda hoje preciso adaptar o jeito de vestir e cuidar deles.
Eu e os meninos com a Fátima Bernardes!
Expliquei também que para a criança é legal ter um pai na cadeira de rodas, pois para eles ela é um carrinho grande, no qual elas podem rodar, empoleiradas no meu colo, e gostam de brincar em cima dela. Minha esposa Giordana falou sobre o início, que não queria ter filhos mas foi convencida por mim, e que os meninos já entendem as minhas limitações e até me ajudam quando fico sozinho com elas.
Com a atriz Cyria Coentro, muito simpática!
O psiquiatra Jairo Bouer contribuiu refletindo sobre como as crianças crescem com um olhar mais inclusivo por serem filhas de cadeirante. O ator Rainer Cadete falou sobre a relação dele com o filho Pietro, assim como o cantor Felipe Araújo. A Atriz Cyria Coentro também opinou sobre a paternidade, e como alguns pais sem deficiência dão desculpas para não ajudar. Falei sobre o dia a dia com os gêmeos, que tenho o privilégio de acompanhar, almoço todos os dias com eles, escovo os dentes, ajudo a arrumar e levo na escola, onde ficam na parte da tarde. Ao final do dia busco os dois, lanchamos juntos e fico sozinho com eles brincando até a chegada da minha mulher.
Max e Anne deram um show à parte. Ficaram muito à vontade no palco, falaram no microfone da Fátima, correram e pularam pra todo lado! Deram um tom divertido à entrevista e mostraram ser crianças desinibidas e felizes! Max resolveu, do nada, contar para a Fátima como foi o acidente que me deixou na cadeira. Muito espontâneo!
Com André Curvello, o cara é uma figura, muito gente boa!
Não falei tudo que queria, ao longo da entrevista a gente se envolve e esquece! O mais importante deixei de fora, que é a dor crônica que me limita mais do que a cadeira, e se adaptar a ela é muito mais difícil. Não falei também sobre meu livro, que escrevi para ajudar outros cadeirantes a se adaptarem e terem mais qualidade de vida. Mas valeu! 
Ao final da entrevista tiramos fotos e conversamos com a Fátima e os artistas, foram muito simpáticos conosco. A Fátima Bernardes é muito simpática, acessível e conhece bem os convidados, sabia de toda nossa história, do meu trabalho no blog e nas redes sociais em prol da melhoria de qualidade de vida dos deficientes.
Veja no link abaixo nossa participação no programa:

Um comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...