domingo, 2 de setembro de 2012

Triciclo elétrico rebocando cadeira de rodas

Solução para o Tribike!
Quando conheci o Tribike, da Electrobike, percebi que era um produto inovador que resolve um grande problema dos cadeirantes que utilizam ou tem vontade de utilizar uma cadeira motorizada: ele trafega no trânsito com facilidade e segurança, já que tem rodas maiores do que as cadeiras motorizadas convencionais, além de contar com setas, farol alto e baixo, acelerador manual, buzina, luz de freio, e os principais equipamentos que as motocicletas possuem.
Porém, por ter mais vocação para as ruas, é um pouco inadequado para lugares fechados, como bancos, supermercados e comércio em geral, apesar de ser perfeitamente possível, e há relatos de pessoas que usam em todos esses lugares sem problemas, já que, no fim das contas, trata-se de uma cadeira motorizada com cara de scooter. Mesmo sendo possível, acho que em um lugar mais fechado é complicado, pois ela é um pouco maior do que as cadeiras comuns.
Mosquetões de escalada
Para resolver este problema, pensei em uma forma de rebocar a cadeira de rodas no Tribike, para que eu pudesse passar para ela e entrar onde quiser (ou melhor, onde for acessível). Como recebi um modelo do Tribike com para-choques, imaginei uma forma de travar a cadeira de rodas nele de forma que suspendesse as rodas dianteiras, assim não corre o risco delas baterem em algum lugar ou trepidarem excessivamente. Percebi que o pedal da cadeira encaixa perfeitamente sobre o para-choques, então foi só buscar um "elo" para uní-los. Aí me lembrei dos mosquetões, que são elos utilizados em escalada para travar os ganchos e cordas que seguram o escalador.
Cadeira travada no para-choque do Tribike
Pesquisando, descobri que há uma loja de produtos de esportes de aventura pertinho da minha casa, a Nerea, e fui lá buscar o modelo ideal. Quem me atendeu foi o Bruno, e assim que expliquei minha ideia ele curtiu o negócio, e trouxe alguns modelos para eu escolher. Peguei os maiores, pois seria preciso passar pelos tubos da cadeira e do para-choques, cada um custou trinta e oito reais. E não é que deu certo? 
Para engatar a cadeira no Tribike é muito simples, basta se virar no assento, posicionar a cadeira sobre o para-choque e travar um mosquetão do lado esquerdo da cadeira. Depois, é só travar do lado direito e pronto! Aí é só sair acelerando! O mosquetão é dotado de um mecanismo de segurança e pode ser travado  para evitar que se abra sozinho. Como há um pouco de folga, nas curvas a cadeira de rodas gira um pouco, mas se a curva for muito fechada, ela quica um pouco. Mas isso não causa nenhum perigo, pois ela é travada dos dois lados. Fiz dois vídeos, o de cima mostra como engato a cadeira no triciclo e o outro era para mostrar o processo inverso, mas o Daniel, meu amigo "cameraman", finalizou a filmagem antes da hora, e eu só fui conferir o filme todo em casa. Quando der, faço outro.
O pessoal da Nerea gostou tanto da ideia que estamos fechando uma parceria, e me informaram que há uma trilha que está sendo adaptada para cadeiras de rodas, que vou conhecer assim que possível.
E quem tem interesse no Tribike, eu represento ele em BH e região, veja como comprar clicando aqui.

10 comentários:

  1. Gostei MUITO do teu blog! Não sou cadeirante, mas tenho alguns amigos q tem dificuldade de locomoção e não fazem METADE do que tu faz! Gostaria muito de conversar contigo, ouvir tuas experiências, tuas idéias... posso adicioná-lo no facebook? Procure por mim: Fulvia Cusumano Reis (Porto Alegre).

    ResponderExcluir
  2. Oi Fulvia, obrigado, claro que pode me adicionar! Ou melhor, eu te adiciono. Tenho muitos amigos do sul, só gente boa! Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Oi Alexandre! Achei o artigo, hehe Muito bom e prático esse jeito de levar a magrela!! Valeu!

    ResponderExcluir
  4. bom dia amigo, qual a autonomia desse triciclo? e qual velocidade max dele? ele suporta terrenos com muitas inclinaçoes, tipo cidades cheiras de morros?
    valeu amigo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, o triciclo anda de 50 a 60 km com uma carga de bateria, que dura oito horas. A velocidade máxima é 30 km/h no plano e 50 km/h em descidas. Suporta muito bem morros, moro em Belo Horizonte, peso 90 kg e ele nunca arregou em nenhum morro daqui!

      Excluir
  5. muito legal ,mais gostaria de saber se pode se carregada a bateria em qualquer lugar ,obs: casas e outros lugares que parar para descansar

    ResponderExcluir
  6. EXCELENTE MATÉRIA . SOU CADEIRANTE E TETRA .MORO EM SP .

    PERGUNTAS : 1) ESSE TRICICLO PRECISA SER EMPLACADO ?

    2) É PRECISO HABILITAÇÃO PARA ANDAR NAS RUAS ?

    AGRADEÇO A ATENÇÃO .

    ResponderExcluir
  7. boa noite meu nome é,sidnei camilo
    gostaria muito de saber se vc tem
    triciclo para venda vi no sait e
    gostei,ñ so caderante mas gostaria
    de compra um com assento para duas
    pessoa,pos tenho filho especial
    e gostaria de levalo comigo
    obrigado

    ResponderExcluir
  8. Olá, amigo tudo bem, eu gostaria de saber se tem como adaptar esse triciclo com o motor de uma vespinha BWS caso isso possa ser feito vou comprar ela por favor responda esse comentário fico grato meu e-mail é udimoura@hotmail.com

    ResponderExcluir
  9. Olá, eu vi esse triciclo numa loja quando morei em Maringá, no Paraná. Andei estudando a legislação de transito, principalmente as resoluções 315, 465 e 168 do CONTRAN, e pelo que entendi, segundo a resolução 315 e 465 esse triciclo é equiparado a um ciclomotor, e conforme a resolução 168 e a lei 13.154, os ciclomotores devem ser emplacados, as vezes pagam IPVA dependendo do Estado (mas deficiente é isento né?), e além disso, o condutor deve portar CNH tipo A ou ACC (autorização para conduzir ciclomotor). Também é importante observar as exigência da resolução 315 quanto a uso de espelhos retrovisores, velocímetro, faróis, etc.

    Mas há algo interessante, o parágrafo único, do artigo 21, da resolução 168 diz que as aulas práticas e o exame prático podem ser realizados em veículo disponibilizado pelo candidato a habilitação. Portanto, para quem mora no interior como eu (moro em São João da Boa Vista - SP) e não tem auto-escola com carro ou moto adaptados para fazer aula ou exame, para não ter que ficar viajando vários dias para uma cidade com auto-escola com veículos adaptados, poderia ser requerido que a habilitação em ACC fosse feita num triciclo deste na própria cidade em que reside. O problema é o teste de rampa que é feito numa rampa de 30 cm de largura, e também teria que ser adaptado. Acho que nenhuma auto-escola do interior ajudaria (poderia acontecer de termos que procurar a justiça através de um processo talvez?).

    Segue fontes:
    http://www.denatran.gov.br/resolucoes.htm
    http://www.denatran.gov.br/consolidadas.htm
    http://www.denatran.gov.br/download/Resolucoes/RESOLUCAO_CONTRAN_315_09.pdf
    http://www.denatran.gov.br/download/Consolidadas/cons168.pdf
    http://www.denatran.gov.br/download/Resolucoes/Resolucao4652013.pdf
    http://carplace.uol.com.br/motos-de-50cc-cinquentinha-estao-liberadas-da-cnh-emplacamento-e-obrigatorio/
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13154.htm

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...